Coluna do dia

Batendo cabeça

Luiz Henrique da Silveira morreu em maio de 2015. Mais de dois anos e meio depois, o PMDB que ele ajudou a construir e estabelecer como o maior partido de Santa Catarina se ressente muito pela ausência de seu maior líder.

LHS faz muita falta para a política catarinense, mas especialmente para o Manda Brasa. Os principais candidatos a herdeiros do legado de LHS estão batendo cabeça na seara das articulações com vistas ao futuro, notadamente em relação ao pleito de 2018. O PMDB não conta com nenhum grande articulador em seus quadros atuais.

O vice-governador Eduardo Pinho Moreira, apesar da longa convivência com o ex-governador, não aprendeu a arte de construir alianças, muitas vezes inesperadas, mas vencedoras.

O deputado federal Mauro Mariani se esforça neste sentido, mas ainda lhe falta bagagem.

O senador Dário Berger é um exímio articulador: de seus interesses empresariais e do seu seleto grupo político de São José.

O prefeito Udo Döhler, de Joinville, é neófito na política e não tem perfil de agregador e formulador político.

 

Morro acima

Se vivo fosse, Luiz Henrique da Silveira muito provavelmente já teria encaminhado uma grande composição em torno do seu nome e teria tudo para ser reconduzido ao governo estadual para um inédito terceiro mandato. LHS gostava de dizer que a eleição podia ser de morro abaixo (com aliados fortes) ou de morro acima (com várias forças se digladiando entre si). Por ora, parece que todos estão se esforçando para subir não um morro, mas uma montanha metafórica nas articulações política em Santa Catarina.

 

Relator da Lava Jato

Nos próximos dois anos, o tema combate à corrupção para a transformação social vai continuar a permear todas as áreas de atuação do MPSC. Na área criminal, por exemplo, a meta será combater possíveis casos de corrupção no aparato da segurança pública. O lançamento contará com a presença do Ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Edson Fachin.

 

Posse                                  

Tomou posse como juiz efetivo da Corte, na classe jurista, em sessão solene realizada nesta quinta-feira (30), na sala de sessões do Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina, o advogado Fernando Luz da Gama Lobo D’Eça.

 

Risco

Ao escancarar publicamente que não apoiará eventual candidatura do prefeito Udo Döhler ao governo pelo PMDB em 2018, Mauro Mariani deu uma carta de risco. Pode se fortalecer como também pode ter posto em xeque o futuro de seu projeto majoritário.

 

Mesmo lado

Quando eram oposição um ao outro no contexto federal, tanto PT como PSDB defenderam a reforma da Previdência. Agora, os petistas voltaram a ser contra por ser contra e os tucanos estão desembarcando do governo e da base de apoio porque adquiriram repentina ojeriza pelas necessárias mudanças.

 

Feliz Natal

Somente um milagre, que remete para o verdadeiro sentido do Natal (Nascimento de Cristo), para que se aprove algo em torno da Reforma Previdenciária este ano. Em 2018, como é eleitoral, o ano legislativo torna-se curto e costumeiramente os parlamentares ficam mais arredios a temas espinhosos. Ou seja, as mudanças mesmo só em 2019.