Coluna do dia

Cartada de Amin

Pesquisas internas, encomendadas pelos mais variados partidos, têm sinalizado claramente os nomes mais lembrados em Santa Catarina para o governo do Estado em 2018. Os citados, momentaneamente, são favoritos, mas os dados coletados até aqui ainda não podem ser incluídos na conta da intenção de votos.

Aparecem os que estão tendo maior visibilidade na história recente da política catarinense. E quem aparece? Paulo Bauer, senador, que disputou o governo contra Raimundo Colombo em 2014; e Esperidião Amin. Duas vezes governador, o hoje deputado federal circula pelo Estado e ainda tem boa base de popularidade. Ele é presidente do PP-SC e seu mandato, segundo acordo feito com a outra corrente no PP, vai até fevereiro de 2018, quando o deputado Silvio Dreveck deixará a presidência da Alesc para posicionar-se no leme da nau progressista.

Correndo contra o tempo, Amin deseja realizar uma pré-convenção em dezembro, abrindo a oportunidade para que o PP Barriga-Verde se posicione se quer, ou não, ter candidato ao governo no pleito do próximo ano.

 

Divisão

Só que as intenções do ex-governador desagrada a outra ala da legenda, que já está fechada com Gelson Merisio para apoiá-lo na sucessão de Raimundo Colombo. Teremos, pode anotar, fortes  emoções no contexto do PP, notadamente do segmento que não deseja mais ter Esperidião Amin como postulante ao governo.

 

Tem teto

Avaliações de progressistas de quatro costados apontam para a renovação. Amin, afirmam, arranca bem, mas bate na trave em eventual segundo turno porque não consegue mais a maioria dos votos em Santa Catarina. A conferir!

 

Juro Zero

Desde novembro de 2011, os microempreendedores individuais (MEIs) de Santa Catarina contam com o apoio do Governo do Estado para a ampliação e modernização de seus negócios. A data marca o lançamento do Juro Zero, programa coordenado pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDS), que já concedeu R$ 200 milhões em mais de 70 mil operações de crédito. Pilotando o projeto, está o secretário Carlos Chiodini, que está de olho no espaço de deputado federal de Mauro Mariani, pré-candidato ao governo pelo PMDB.

  

Dança das cadeiras

O deputado Fernando Coruja (PMDB) assumiu uma cadeira efetiva na Assembleia Legislativa, nesta quinta-feira, 9. Ele entra  na vaga deixada pelo ex-deputado José Nei Ascari, agora conselheiro do Tribunal de Contas do Estado. Coruja atuava como suplente desde o início da legislatura, uma vez que deputados do PMDB atuam em secretarias importantes, como Agricultura e Desenvolvimento Econômico. A saída de Ascari possibilitou a ascensão do segundo suplente da coligação PMDB-PSD-DEM-PRB, Roberto Salum (PRB), também empossado durante a sessão.

 

Alô, Deinfra!

“Tenho ouvido muitas críticas às rodovias, como a que liga Porto União a Matos Costa, já mostramos vídeo, mas o Deinfra não adota nenhuma posição; a SC-283, de Princesa a São José do Cedro; a rodovia que liga Abelardo Luz ao Paraná está precaríssima, a situação é muito feia, 63,7% das rodovias do estado apresentam deficiências.” Deputado Maurício Eskudlark (PR).

 

Brasil

Deputada Ana Paula Lima destacou, na Alesc, nesta sexta, que as centrais sindicais farão manifestações em todo Brasil, na véspera da entrada em vigor da reforma trabalhista. Quando se lê centrais sindicais, leia-se PT e demais legendas que se autointitulam de esquerda. A tal manifestação pode ser um tiro no pé se, no embalo da entrada em vigor da reforma, também vier a retomada dos empregos. Na era PT-PMDB, foram vaporizadas 13 milhões de vagas.