Destaques

PMDB reclama!

Depois que o PP assinou moção de compromisso para aliança com o PSD em 2018 e Raimundo Colombo levou Esperidião Amin no avião oficial ao Oeste, a turma do Manda Brasa torceu um pouco mais o nariz.

De várias fontes peemedebistas, e por vários canais, foram enviados recados ao governador. Nada que assuste o Centro Administrativo. O PMDB elegeu o vice-governador e um senador na coligação vitoriosa em 2014. Controla quase metade dos cargos no governo – que passa por sérios problemas, registre-se – e está no seu papel de reclamar. Até para acalmar a militância.

Mas ninguém em sã consciência acredita que os peemedebistas vão largar os cargos e partir para a oposição agora. Por ora, é só balão de ensaio.

Até porque, tanto no PSD como no PMDB, há dois pré-candidatos ao governo que podem rever as posições lá em 2018 a depender dos cenários estabelecidos no ano santo e eleitoral.

Personagem

Tem muita gente cravando que o deputado Fernando Coruja (PMDB) virou oposição. É uma leitura no mínimo precipitada. Talvez de quem não acompanha o dia a dia da Alesc. Desafeto pessoal de Raimundo Colombo (os dois já foram prefeitos de Lages), Coruja passou o ano de 2017 sem perder uma única oportunidade de criticar, atacar e se opor ao governador. Professor Coruja vem fazendo seu papel de olho na reeleição em 2018. Mas vale registrar que é suplente e só está no exercício do mandato por uma concessão de Colombo, apesar da metralhadora giratória permanentemente direcionada para o Centro Administrativo.

Rombo

Na sessão do Congresso Nacional, que adentrou pela madrugada de quinta-feira passada, chamou atenção a atuação do líder da oposição, deputado Décio Lima, que coordenou os oposicionistas à obstrução ao PLN 17/2017, que autoriza o governo federal a encerrar 2017 e 2018 com um déficit fiscal de R$ 159 bilhões. Foram quase doze horas de sessão e a votação não foi concluída por falta de quórum.

Derrota?

Na avaliação dos partidos da oposição, o governo Temer foi derrotado. Enquanto a votação não for concluída, o governo fica obrigado a enviar ao Congresso o projeto da Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2018 com uma meta fiscal considerada irreal: déficit de R$ 129 bilhões.

Fraude

Durante a madrugada na sessão, o líder Décio usou a tribuna para denunciar o presidente do Congresso, senador Eunício Oliveira, que decidiu inverter a pauta sem a autorização doplenário para votar o projeto logo após os vetos e assim garantir quórum. Segundo o líder, “o governo Temer tem pressa em pagar a conta das emendas liberadas para salvá-lo do afastamento. Eles tiraram a Dilma do governo por irresponsabilidade fiscal. Agora vão provar do próprio veneno”, declarou.

Agricultura

O secretário de Estado da Agricultura e da Pesca, Moacir Sopelsa, recebeu solenemente na última quinta-feira, a presidência da Comissão de Agricultura do Conselho de Desenvolvimento e Integração Sul (Codesul) do secretário do Rio Grande do Sul, Ernani Polo.

Agricultura 2

A cerimônia de transmissão de cargo foi realizada na Casa do Produtor Rural Catarinense, durante a Expointer, em Esteio (RS). Também na Expointer, o presidente da Comissão de Agricultura da Alesc, deputado Natalino Lázare, assumiu a vice-presidência da Comissão Especial de Agricultura da Unale (a entidade que representa todas as Assembleias Legislativas do país). Trata-se de reconhecimento nacional ao trabalho dos dois.