Destaques

Amin detona PSD e Ponticelli apoia Dreveck

Em entrevista à jornalista Karin Suayn, da Rádio Araranguá, neste sábado, o deputado federal Esperidião Amin, presidente estadual do PP e candidato a renovar o mandato na convenção de segunda-feira, não poupou palavras para alfinetar Raimundo  Colombo, Gelson Merisio, o PSD e Eduardo Moreira. Em seguida, o líder do PSD na Alesc, Milton Hobus, e o prefeito de Tubarão, ex-presidente da Alesc e candidato a vice-governador na chapa de Paulo Bauer na última eleição estadual, Joares Ponticelli, se manifestaram publicamente. Resumo da ópera: as feridas abertas em 2014 continuam purgando tanto nas hostes do PP como na relação de Esperidião Amin e seu grupo com o PSD. Também está muito claro que só um milagre para que haja consenso entre os pepistas na segunda-feira.  Confira um resumão detalhado na sequência. A temperatura nos bastidores está próxima do ponto de vaporização.

Ponticelli, Leodegar Tiscoski, Beth Tiscoski, Esperidião Amin (com cara de pouquíssimos amigos e Silvio Dreveck em 2014, depois que o PP decidiu que conversaria com o PSDB
Ponticelli, Leodegar Tiscoski, Beth Tiscoski, Esperidião Amin (com cara de pouquíssimos amigos e Silvio Dreveck em 2014, depois que o PP decidiu que conversaria com o PSDB

O ex-governador reiterou, na entrevista radiofônica, que o PP não tem candidato a governador, “neste momento”, e que ele não está trabalhando por isso. Mas foi enfático, com aquele tom ácido e de picardia característicos dele, de que o PP não deve fechar questão com o PSD já na segunda-feira, 21, data da convenção estadual da legenda.

Amin rememorou o episódio de junho de 2014. No dia 21 daquele mês e ano, a cúpula do PP recebeu uma carta do governador Raimundo Colombo, candidato à reeleição. O mandatário comprometeu-se, nas linhas que subscreveu, a destinar a vaga ao Senado em sua chapa (há três anos, só havia um candidato a senador por chapa) ao PP. O pré-candidato era o deputado Joares Ponticelli.

Seis dias depois, em 27 de junho de 2014, o PMDB fez sua convenção, definiu por aliança com o PSD e indicou o candidato ao Senado. Dário Berger não só disputou como venceu a eleição e hoje atua na Câmara Alta com a maior desenvoltura.

Amin resumiu o sentimento depois da reviravolta: “chegamos para a nossa convenção, no dia 30 de junho, o último dia, sem eira nem beira. Conversamos com o PSDB às 22h e o Joares aceitou ser vice do Paulo Bauer,” lembra o pepista, salientando que o PP não pode, atualmente, ser mais fiel ao PSD do que “o próprio PSD, se eles não cumpriram, ou não puderam cumprir, um compromisso por escrito que assumiram com o PP (em 2014).”

O presidente dos pepistas no Estado ilustrou sua afirmação. “Nós temos  história. O PSD foi criado há menos de quatro anos. Tudo isso tem que ser sopesado. No próprio PSD, existem deputados manifestando desejo de sair porque não concordam. Exemplo: João Paulo Kleinübing (que tem bem encaminhada sua mudança para o DEM). Há outros deputados, como o deputado Milton Hobus, que não hesita em manifestar seu desejo de ser vice do PMDB, assim como o deputado João Rodrigues.”

RAIMUNDO COLOMBO

À Rádio Araranguá, Esperidião Amin declarou que Eduardo Moreira (vice-governador) achaca Raimundo Colombo ao exigir que ele renuncie em dezembro ou janeiro. “E se o governador aceitar, Gelson Merisio vai ser candidato? E se o Raimundo Colombo renunciar em março ou abril? Ele vai ser candidato (ao Senado) contra o PMDB?,” cutucou o comandante dos pepistas. Ah sim, ele repetiu umas quatro vezes que a prioridade de coligação do PP é com o PSD. Mas como definir agora, espeta Amin, se nem o próprio Merisio sabe se vai ser candidato?

MILTON HOBUS

Líder da bancada do PSD na Assembleia, o deputado Milton Hobus reagiu de imediato. Está divulgando um áudio em que nega veementemente que seja candidato à majoritária. “Não conversei com o deputado Esperidião Amin, a quem respeito muito,  sobre este assunto. Aliás, não mantenho conversas regulares com ele. Todo o nosso partido sabe que sou um dos mais fervorosos defensores da candidatura própria. O deputado Gelson Merisio, que tem feito um trabalho excepcional, é muito inteligente, tem meu apoio incondicional e de toda nossa bancada.”  

JOARES PONTICELLI

Prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli, também divulgou áudio neste sábado. Declarou apoio a Silvio Dreveck na convenção de segunda-feira, argumentando que o PP tem ficado isolado (e longe do poder) justamente por não construir alianças com antecedência (posição frontalmente contrária à de Esperidião Amin). Nos bastidores, também há informações circulando no sentido de que Ponticelli teria imposto a saída salomônica de ser vice de Paulo Bauer em 2014 em detrimento de Amin.

“Antes da  minha manifestação (na convenção do PP de 30 de junho de 2014), ele (Esperidião Amin) discursou. Disse que todo o processo havia sido conduzido pela bancada de deputados e que nada mais justo do que um membro da bancada para estar na majoritária e que o candidato era o deputado Joares Ponticelli. Eu era, sim, candidato ao Senado na chapa de Raimundo Colombo ou até numa candidatura avulsa ao Senado, como nós tentamos levar para a convenção. Não conseguimos exatamente porque ele (Amin) e seu grupo não concordaram com este encaminhamento. É preciso restabelecer a verdade. Em  nenhum momento o deputado Esperidião Amin manifestou vontade de ser candidato a vice (em 2014). Preciso esclarecer senão pode transparecer que eu impus a minha candidatura (a vice de Paulo Bauer). Isso não é verdadeiro. E com relação à entrega ao PSD, eu também contesto ele (Amin). O que nós queremos, diferente de todas as outras eleições, é construir um projeto com antecedência. Diferente do que tem acontecido nos últimos 20 anos, quando sempre deixamos para definir na última hora e aí, muitas vezes, ficamos no isolamento. Por isso, nós vamos encaminhar, com muita tranquilidade, sem mentiras, essa composição em que o deputado Silvio (Dreveck) possa nos liderar nessa construção (de uma aliança antecipada).”

Foto> PP-SC, aquivo, divulgação