Coluna do dia

Tunga oficial

Estava prevista para ontem, na Câmara, a votação, em regime de urgência (quando interessa a eles, não há dificuldades tempestivas) a criação da excrescência chamada fundo eleitoral público para financiamento de campanhas. Os deputados iriam avaliar aquele modelo aprovado no Senado e cujos valores, além de bilionários, são controversos.

A balela chamada reforma política que praticamente não mudou para o pleito do ano que vem, estabelecendo somente uma alteração, também de interesse dos donos do poder, que é a cláusula de barreira. Ela impedirá que partidos que não atingirem um desempenho mínimo tenham acesso aos preciosíssimos recursos fundo partidário ( este já existe e também é dinheiro público que permite verdadeiras farras aos donos das legendas) a partir de 2020. Os nanicos que não tiverem votos suficientes também ficarão sem o ouro em pó chamado tempo de Rádio e TV. Ou seja, serão varridos da face do planeta político. Resta um fio de esperança que o fundão, como ficou conhecido, não passe na Câmara, onde as divergências são potencializadas.

 

Fim dos nanicos

Neste ano, também passará a valer o fim das coligações proporcionais, fulminando a figura do puxador de votos. Mas o que interessa de verdade estava pautado para ontem. A partir da proibição das gordas doações empresariais, suas “Excelências” passaram a ter uma obsessão: aonde arrumar dinheiro para suas ricas campanhas. O caminho encontrado, claro, foi o mais fácil. O meu, o seu, o nosso bolso. Como sempre.

 

Frase

 “A constitucionalidade da cláusula de barreira depende da liberação das candidaturas avulsas! Se não, seremos escravos dos grandes partidos!” Janaína Pascoal, advogada e uma das autoras do pedido de impeachment de Dilma Rouseff

 

De volta

Ideli Salvatti está de volta a Florianópolis, depois de um período na OEA, sediada em Washington (EUA). Ela emitiu nota sobre a morte trafica de Cao Cancellier. “Em 1979, em Florianópolis, a juventude esbofeteou o ditador da época, o General Figueiredo, no episódio conhecido como novembrada. 38 anos passados, em Florianópolis, o Reitor da UFSC, Cancellier, que viveu a novembrada, esbofeteia com sua morte os ditadores de agora: juizes e mídia. Cancellier nunca mudou de lado, o lado da democracia, da verdade, professor de Direito, ministrou sua Aula Magna de Justiça.”

 

Localização

Ideli está morando novamente no Bairro Estreito, em Florianópolis. Afirma que não pretende ocupar cargo público para se dedicar a projetos profissionais.

 

Turismo na pauta

Acompanhado do presidente da Embratur, Vinicius Lummertz, o senador Dalirio Beber (PSDB-SC) esteve em audiência com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Torquato Jardim, para reforçar o pedido de reabertura do posto para emissão de passaportes, na cidade de Blumenau.  Não será necessário, informou Torquato, que foi convidado a participar da Oktoberfest 2017.

 

Passaporte na Caixa

Em primeira mão, o ministro anunciou aos dois catarinenses que a partir de 2018, todas as agências da Caixa Econômica Federal deverão passar a emitir passaportes, e que a decisão, que já teria a autorização do presidente da República, Michel Temer, depende da questão operacional.

 

Na estrada

Na segunda-feira, Gelson Merisio recebeu apoios de prefeitos de PSD e lideranças de PP e PSB na Grande Florianópolis. Nesta quinta-feira, será a vez da região de Videira. O pré-candidato do PSD ao governo vai almoçar na cidade, onde conta com o respaldo do prefeito Dorival Borga e do deputado Natalino Lázare